[Dez 19] Fofoca no trabalho: como se livrar desse mal?

7 minutos para ler

Uma característica marcante do ser humano é sua capacidade de contar casos e histórias para as pessoas mais próximas. No entanto, esse hábito, quando carrega julgamentos ou ideais maliciosos, pode trazer prejuízos para as pessoas envolvidas. A fofoca no ambiente de trabalho é algo, infelizmente, comum de se encontrar e, provavelmente, alguém sairá prejudicado.

Foi pensando nisso que escrevi este conteúdo. Quero levantar uma reflexão para que você compreenda o que leva uma pessoa a construir esse tipo de comentário, quais são as consequências e como se comportar para que a fofoca não atrapalhe sua reputação. Acompanhe!

Como as fofocas surgem? 

Desde que o ser humano começou a desenvolver as habilidades linguísticas, sua capacidade de narrar fatos passou por aprimoramentos. Mesmo nas pinturas rupestres, por exemplo, existia ali algo a ser contado e compartilhado, uma vivência, experiência ou tradição.

Com o tempo, essa habilidade foi se aperfeiçoando e, com a oralidade, as histórias, tradições e conhecimentos eram passados de avó para neto, mãe para filha, pai para filho, entre outros familiares. Depois, com o desenvolvimento da escrita, temos, por exemplo, os registros das grandes narrativas épicas dos gregos perpetuados até hoje, como “Ulysses” ou “Ilíada”.

Dando um salto no tempo, as narrativas se desenvolveram, e com o surgimento dos impressos, os folhetins tornaram-se sensação no século XIX. E, mais para a frente, as novelas televisivas tomaram conta do país. O hábito de narrar fatos, portanto, faz parte da capacidade e da necessidade do ser humano. É em contato com as narrativas que aprendemos e transmitimos conhecimentos.

No entanto, as fofocas, um hábito de passar histórias adiante, nunca foi uma característica positiva. Elas já não fazem parte da ficção, normalmente tem um alvo específico e sua intenção pode ser maliciosa, mesmo que inconscientemente. Esse tipo de história não é compartilhada com a intenção de agregar conhecimento, mas, sim, para causar algum desconforto.

Como identificar uma pessoa fofoqueira?

A intenção neste conteúdo não é denegrir ou fazer acusações contra a imagem da pessoa que faz fofocas. Afinal, quando buscamos entender as causas desse processo, compreendemos que, na verdade, uma pessoa fofoqueira é cheia de características as quais são negativas para seu desenvolvimento pessoal e profissional. Conheça:

  • insegurança: a pessoa não se sente capaz de conseguir por si mesma a simpatia dos colegas de trabalho;
  • imatura: a pessoa ainda não trabalha com a inteligência emocional e não busca compreender os indivíduos ao redor;
  • carente: por falta de atenção ou necessidade de estabelecer vínculos ou amizades, ela denigre a imagem de alguém e deseja tomar seu lugar.

Quais as causas de uma fofoca na empresa? 

Eu sempre gosto de enfatizar a seguinte frase: “Uma história tem várias verdades”. Por exemplo, se alguém conta a versão de algo que presenciou, ele estará narrando a partir do seu ponto de vista, de sua experiência. Por isso, a fofoca pode ser um conjunto de conversas que foram sendo distorcidas ao logo do tempo por uma falha na comunicação.

Os riscos de uma fofoca podem atingir tanto a empresa quanto o colaborador. Esse é um sinal de que a organização está com uma comunicação pouco efetiva e o ambiente de trabalho pode estar estressante. Por isso, questione-se: 

  1. A comunicação entre diretores, líderes, gestores e colaboradores está sendo eficaz?
  2. A comunicação é transparente, ou seja, a honestidade é algo prezado e elogiado nas conversas e reuniões?
  3. A empresa está colocando a competição como uma de suas principais características, em vez de colaboração e crescimento em grupo?
  4. Os funcionários sentem que o clima organizacional traz alguma ameaça para o seu cargo?

É importante analisar essas questões dentro da empresa, pois é possível repensar, planejar e cuidar do clima organizacional, valorizando a comunicação, a colaboração, o aprendizado e a honestidade.

Quais são os riscos de uma fofoca?

Uma das primeiras características que uma fofoca pode atacar é a imagem, seja pessoal, seja profissional, e, dependendo do nível, é capaz trazer graves consequências. Em segundo lugar, o relacionamento pessoal também será afetado: como confiar em alguém que a todo o momento levanta críticas e traz histórias sobre os companheiros de trabalho, as quais não sabemos se são verídicas?

O colaborador fofoqueiro, aos poucos, perderá a confiança dos colegas e muitas pessoas evitarão compartilhar projetos, atividades em equipe ou mesmo informações práticas do cotidiano, além disso, a fofoca pode levar, inclusive, a demissão.

Já a empresa perderá na produção, pois quem faz a fofoca não se concentra nos afazeres e poderá construir um ambiente negativo de trabalho, o que torna a organização menos atrativa para futura captação e retenção de talentos.

Como se comportar diante dessa situação?

Existem algumas maneiras de se comportar para que a fofoca não atrapalhe seu ambiente de trabalho. Veja as dicas que selecionei, abaixo!

Não ajude a propagar comentários maldosos

Se a fofoca existe é porque tem alguém disposto a ouvir. Por isso, é importante que as histórias dos fofoqueiros não sejam propagadas. Identifique quais são as pessoas intrigantes do grupo e procure se afastar. Não é necessário dizer “com aquela pessoa não converso, ela é fofoqueira”. Seja cordial. 

Quando alguém iniciar um boato, não dê ouvidos. Mude de assunto rapidamente. É preciso que o companheiro de trabalho entenda que você não quer participar daquele tema. Se houver a insistência, é importante falar de maneira educada “eu não sou o tipo de pessoa para compartilhar essa informação, vamos mudar de assunto?”.

Ajude a incentivar o respeito coletivo

Há alguns valores que podem ser trabalhados diariamente na empresa. Ao reforçá-los, as pessoas pensarão diariamente antes de fazer qualquer comentário “será que essa é uma prática positiva para mim e para meus colegas?”. Por isso, seja inspiração. Ajude a incentivar o respeito coletivo. 

Você pode falar isso demonstrando o lado bom dos colegas de trabalho e de determinadas situações cotidianas, utilizando exemplos dos quais você participou. Não levante críticas negativas pelas costas. Se precisar trazer algum feedback negativo, faça isso com profissionalismo e em particular. Assim, você conseguirá contribuir para transformar o respeito em um valor da cultura organizacional.

Tenha discrição e não participe da conversa

Às vezes, ao participarmos de um grupo, as fofocas aparecem, mesmo que não queiramos. Então, se acidentalmente, ficar sabendo de algo, tenha discrição e não participe da conversa. Assim, aos poucos você demonstrará, de maneira sutil, que tais comentários não agradam e sempre que surgirem, você terá que se afastar. 

É importante também evitar falar demais sobre a própria vida. Não compartilhe de maneira excessiva as informações pessoais no trabalho. Não é preciso se restringir por completo, mas pequenos detalhes podem ficar guardados só para a sua vida pessoal. Fazendo isso, você evitará também ser alvo das fofocas.

Se você for assunto de alguma fofoca, sempre avalie o nível da história, e veja se vale a pena confrontar ou não o fofoqueiro. É possível esclarecer as notícias por meio de uma boa comunicação interna, apostando na credibilidade do seu trabalho e sempre valorizando a retidão e a honestidade em suas palavras. Assim, você também será influência positiva para muitos outros líderes e colaboradores.

A fofoca no ambiente de trabalho ainda é algo comum, mas ao compreender suas motivações é possível evitá-las e ter o devido cuidado para não sofrer com esses assuntos indesejados. Portanto, mantenha o foco em suas funções, valorize as conversas positivas e evite ambientes em que a fofoca seja tema central de conversas.

Notou como a fofoca pode abalar sua carreira? Se você quer saber mais sobre o assunto e aperfeiçoar a sua imagem pessoal e profissional baixe nosso e-book Guia Completo de Imagem e Comportamento Profissional e receba o material para se inspirar cada vez mais!

Rachel Jordan é uma referência no mercado brasileiro de Consultoria de Imagem e Comportamento. Ministra cursos, oficinas e workshops por todo Brasil e online. É colunista da Claudia online, colaboradora de sites de comportamento e estilo.

Posts relacionados

Deixe um comentário

Share This