Branding pessoal: 8 mitos e erros que podem minar sua imagem

Independentemente do nicho de atuação, zelar pelo branding pessoal fará toda a diferença em sua carreira. Este é um ponto que sempre menciono em minhas consultorias, justamente por ser deixado de lado por muitos profissionais competentes que desejam se posicionar com autoridade no mercado — além de deixar claro o que a pessoa tem a oferecer.

Branding pessoal: 8 mitos e erros que podem minar sua imagem

Você já ouviu falar sobre a importância de estabelecer sua marca? Caso nunca tenha escutado esse termo, não se preocupe. Preparei um conteúdo especificamente para quem ainda tem dúvidas sobre o assunto ou não entende muito bem como construir seu valor enquanto profissional. Boa leitura!

O que é o branding pessoal? 

O principal objetivo deste conteúdo é focar nos erros cometidos pelas pessoas que podem minar sua imagem. No entanto, antes de entrar especificamente no assunto, vou discutir um pouco mais sobre o significado do conceito. Trata-se de nada mais do que a gestão eficiente da sua marca pessoal.

Para facilitar a compreensão, faço sempre o seguinte questionamento: como você quer ser lembrado por outras pessoas que trabalham na mesma área ou até em segmentos distintos, mas que precisarão de seus serviços enquanto profissional? Grandes marcas estão constantemente trabalhando a impressão que passam para o mercado, certo? Logo, é preciso ter a mesma preocupação com sua imagem! 

A pergunta que sempre me fazem, no entanto, está relacionada à diferença entre branding e marketing pessoal. A gestão de sua marca, a preocupação com a maneira como se apresenta e a necessidade de estar sempre atrás de conhecimento e autoridade correspondem ao branding.

Dentro dele, é possível estabelecer inúmeras estratégias, como o marketing pessoal. Trata-se da maneira com a qual você interage com o seu “público”, o que influencia também em sua postura e qualifica a visão que as pessoas têm de você. 

Entenda as vantagens de se investir em branding pessoal

Agora que você já está por dentro do que significa branding pessoal, chegou o momento de apresentar as vantagens dessa estratégia. O próprio conceito de branding já permite entendermos sobre seus benefícios — que incluem melhorar o modo como os outros profissionais enxergam sua atuação. 

Mas existem outros ganhos para sua carreira, como o desenvolvimento de habilidades, além da motivação que o permitirá atingir seus objetivos a curto, médio e longo prazo. O branding pessoal também contribui para uma melhor definição de onde você quer chegar em sua carreira, traçando um caminho mais propício para isso. 

Aquele profissional que trabalha seu branding inspira credibilidade e amplia sua rede de contatos. Por fim, você tem a oportunidade de tornar a imagem que transmite condizente com seu propósito. Veja um exemplo prático: recentemente, vi um profissional para quem há muito tempo dei consultoria (em sua empresa).

Seu propósito era formar outros profissionais que conseguissem agregar valor aos clientes na área em questão. A partir disso, ele começou a desenvolver seu branding, fornecendo conteúdos ricos em sua página, de modo que contasse suas experiências e desenvolvesse as habilidades de outras pessoas. Fantástico, não acha? 

Quais são os erros capazes de minar o branding pessoal? 

Existem alguns erros cometidos pelos profissionais que podem minar o branding pessoal. Reuni os principais abaixo. Veja!

1. Fingir ser alguém que você não é

Está aí um problema que não deve ser cometido por nenhum profissional. Toda a credibilidade que mencionei pode ser prejudicada caso você tenha tal tipo de atitude. Além disso, é preciso que sua identidade seja bem definida e clara para qualquer pessoa que tenha contato com sua imagem (seja por meio das redes sociais, seja pessoalmente). 

Nessa definição, encontre um diferencial, mas sem deixar de lado seus objetivos e a posição que deseja alcançar. Isso tudo envolve planejamento e o entendimento de sua atuação enquanto autoridade no mercado.

Nada de pular etapas, tudo bem? Se a meta é se aproximar de outras pessoas que são referências em seu nicho, o primeiro passo é manter bons relacionamentos e criar um sólido networking — sem forçar a barra, claro. 

2. Ignorar os outros profissionais

Esses encontros em palestras e eventos contribuem para o seu aprendizado, portanto é preciso entender que todos ali têm como objetivo aprender e crescer. Tenha também objetivos bem definidos em mente. Não recomendo ignorar outras pessoas: é possível agregar valor ao profissional que você é com qualquer indivíduo, pois sempre temos algo novo a descobrir. 

Na internet, é indicado que responda a todos os comentários, seja de críticas às suas opiniões, seja de elogios. Isso demonstra que está aberto ao debate produtivo e incentiva diferentes posições dentro de seus perfis. 

3. Envolver-se em assuntos polêmicos

Qualquer pessoa tem suas ideologias relacionadas à religião e à política. Mas isso não deve se misturar com sua imagem pessoal, uma vez que pode dar um foco diferente aos objetivos pretendidos. Portanto, evite fazer postagens relacionadas e foque em assuntos que, mesmo para quem tem opiniões distintas, não tragam tanta segmentação à sua publicação. 

O ideal é manter dois perfis: um destinado a um público mais amplo e outro apenas para amigos ou conhecidos. Assim, você pode compartilhar momentos mais íntimos e ser mais aberto quanto às suas opiniões nos assuntos mencionados. 

4. Não ter uma estratégia digital

Sem nem mesmo chegar a este erro, já mencionei as redes sociais ao longo de algumas partes do meu texto. Isso só comprova a importância de se firmar na internet, produzir conteúdo com relevância e abrir um canal de comunicação online com outras pessoas. 

Mas como proceder? Novamente, seus objetivos serão essenciais para definir uma estratégia eficaz. É preciso conhecer quem você quer alcançar, qual a linguagem a ser utilizada e os tipos de conteúdos com os quais seu público deseja ter contato nesse universo.

A partir disso, faça um cronograma de postagens. Lotar suas redes de conteúdos que pouco agregam também não é interessante e pode provocar em um efeito contrário. Portanto, faça testes, entenda qual é o horário de mais engajamento e foque na produção de dicas ou materiais que realmente despertam o interesse das pessoas. 

5. Escolher mal seus canais

Não é porque você precisa estar presente que vai “tentar espaço” em todas elas, certo? Da mesma forma que é preciso entender sobre a linguagem a ser utilizada, deve-se conhecer os canais onde o público pretendido está presente. Cada rede social tem seu perfil bem definido e um tipo de conteúdo específico. 

Por essa razão, é preciso entender sobre elas para que esteja no canal correto e se conectando com quem realmente trará valor para sua imagem

6. Não se capacitar

A capacitação profissional traz ganhos que vão além de firmar sua autoridade na área em questão. Por meio dela, é possível agregar ainda mais para sua carreira, mesmo que seus objetivos iniciais já tenham sido alcançados. Inclusive, esse é um ponto pelo qual prezo bastante: sempre se atualize, independentemente do nível alcançado. 

Muitas vezes, por já ter uma marca pessoal forte e alcançar quem pretende, o profissional pode acabar deixando para lá o fato de se atualizar constantemente. Mas é preciso sempre correr atrás de coisas novas, até mesmo para firmar tudo de positivo que criou até então. 

Imagine só ter a oportunidade de descobrir uma solução para a qual ninguém tenha traçado um caminho? Essa chance você só terá a partir de novos estudos, conhecendo outros profissionais e aplicando todo o conhecimento adquirido em seu dia a dia. 

7. Não fazer networking

O networking é tão importante que, em qualquer consultoria que presto, incentivo os profissionais com os quais tenho contato a fazê-lo. Contar com uma rede sólida e ser lembrado pelos principais nomes de sua área são cuidados que devem ser sempre priorizados, pois vão permiti-lo receber indicações e permanecer entre os profissionais que o público considera mais qualificados. 

Vá a eventos, palestras e — novamente a capacitação! — treinamentos ou cursos. Além de se manter por dentro dos principais assuntos, você terá esse contato tão importante para a sua carreira. 

8. Ouvir apenas os feedbacks positivos

Os feedbacks são essenciais para o nosso crescimento enquanto pessoas e profissionais. A partir deles, você pode traçar suas estratégias e entender pontos que devem ser melhorados para atingir os objetivos pretendidos.

Caso ouça apenas aquele retorno que estimule sua autoestima e vá de encontro com os pontos nos quais já têm qualidades, as chances de se aprimorar e se tornar uma referência em sua área diminuem consideravelmente. Por isso, faça uma análise sobre o que outras pessoas têm a dizer, filtrando as questões que podem ser trabalhadas para alcançar uma autoridade no assunto. 

Neste conteúdo, você pôde ter contato com informações importantes sobre o branding pessoal. É interessante ficar atento quanto aos erros apresentados por mim para que sua imagem seja sempre bem-vista, de modo que traga mais valor para você enquanto profissional e novas oportunidades.

Caso ainda tenha dúvidas sobre o assunto, saiba que uma consultoria será essencial para corrigir seus erros e trabalhar com o seu branding — online ou não. Quer saber mais sobre isso? Então, entre em contato comigo e vamos agendar uma conversa!

Rachel Jordan é especializada em Imagem, Comportamento e Protocolos Internacionais. Instrutora e palestrante, executa um trabalho estratégico e personalizado para empresas e pessoas que desejem melhorar sua imagem pessoal e profissional com o objetivo de se reposicionar na carreira ou se colocar de forma mais adequada nas diferentes situações do cotidiano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This